Figuras do Chiado

Cesário Verde

Cesário Verde (1855-1886), o grande poeta, passava muito pelo Chiado, sobretudo vindo da Rua dos Fanqueiros, onde o pai tinha a loja de ferragens. “Nas nossas ruas, ao anoitecer, / Há tal sotunidade, há tal melancolia, / Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia / Despertam-me um desejo absurdo de sofrer”. Ah, como é belo “O Sentimento dum Ocidental”! Mas o poeta tinha humor. E não se deixava ficar… Eis uma típica dele e do Chiado!

A porta da «Havaneza» no Chiado era local certo para reunir os janotas e os más-linguas. Era lá que se juntavam os galãs ao domingo para ver sair as meninas elegantes da missa dos Mártires e apreciar as beldades que desciam a calçada, verdadeira passagem de modelos. Na Havaneza vendiam-se os melhores puros de Lisboa e os mais afamados tabacos portugueses e estrangeiros. Sabemos que Cesário Verde era uma fraca figura, tímido, macilento, sempre entretido com os seus botões. Um dia, como de costume, descia a rua Larga de Santa Catarina, o nosso Chiado, vindo do Bairro Alto, onde deixara um poema no «Diário de Notícias». Um dos habitués da porta da tabacaria que, por qualquer razão, implicava com Cesário, vendo-o, não se conteve e comentou alto e bom som: – Olha o Cesário Azul… O poeta parou, serenamente fitou o engraçado e apenas disse: -«Com que então troca-tintas»…

Guilherme d’Oliveira Martins

Fernando Pessoa

Sophia de Mello Breyner Andresen

Antero de Quental

Almeida Garrett

Aquilino Ribeiro

Almada Negreiros

Padre António Vieira

Vitorino Nemésio

Alexandre Herculano

António Quadros

Columbano Bordalo Pinheiro

Afonso Lopes Vieira

Giuseppe Verdi

António Alçada Baptista

Alexandre O´Neill e Amália

Gualdino Gomes

Amadeo de Souza-Cardoso