Figuras do Chiado

Alexandre O´Neill e Amália

Alexandre O´Neill (1924-1986) é um dos grandes poetas portugueses de sempre. O Chiado era-lhe lugar de passagem obrigatório. A última vez que o vi foi a sair da Bertrand. A sua obra é inesgotável. Cada palavra é ideia e é festa… Foi um dos grandes amigos de António Alçada. Ambos mantiveram sempre um enorme afeto, por nunca se levarem demasiado a sério. Foi o Alexandre que fez o António descobrir o João Guimarães Rosa. E os seus poemas permitem conhecermo-nos melhor e saber entender o fundo picaresco da nossa cultura, que o António Tabucchi gostava de enaltecer.

E, assim, lembramos três belos e enigmáticos poemas, que nos permitem entender quem verdadeiramente somos. O primeiro é sobre a misteriosa palavra já: «Já não é hoje? / Não é aquioje? / Já foi ontem? / Será amanhã? / Já quandonde foi? / Quandonde será? / Eu queria um jazinho que fosse / aqui já / tuoje, aqui já…».

O segundo poema foi imortalizado por Amália. Falo de “Gaivota”, que me faz lembrar Amália a fazer compras no Ramiro Leão e a cruzar-se com Palmira Bastos, por todos saudadas com júbilo e deferência: «Se uma gaivota viesse / trazer-me o céu de Lisboa / no desenho que fizesse, / nesse céu onde o olhar / é uma asa que não voa, / esmorece e cai no mar. / Que perfeito coração / no meu peito bateria, / meu amor na tua mão, nessa mão onde cabia / perfeito o meu coração».

E ainda de Amália (hoje com Adriana Calcanhoto) vem à lembrança uma minuciosa formiga e a sua fábula reinventada! «Minuciosa formiga / não tem que se lhe diga: / leva a sua palhinha / asinha, asinha. / Assim devera eu ser / e não esta cigarra que se põe a cantar / e me deita a perder / Assim devera eu ser: / de patinha no chão / formiguinha ao trabalho e ao tostão. / Assim devera eu ser / Se não fosse não querer…».

Guilherme d’Oliveira Martins

Fernando Pessoa

Sophia de Mello Breyner Andresen

Antero de Quental

Almeida Garrett

Aquilino Ribeiro

Almada Negreiros

Padre António Vieira

Vitorino Nemésio

Alexandre Herculano

António Quadros

Columbano Bordalo Pinheiro

Afonso Lopes Vieira

Giuseppe Verdi

António Alçada Baptista

Cesário Verde

Gualdino Gomes

Amadeo de Souza-Cardoso