Figuras do Chiado

Alexandre Herculano

A caricatura que aqui se representa é de Alexandre Herculano (1810-1877) no Chiado, junto do Jerónimo Martins, que vendia em Lisboa os seus produtos agrícolas com destaque para o excelente e premiadíssimo Azeite. O percurso normal de Herculano no fim da vida quando vinha à capital de Santarém conduzia-o à Rua Larga de Santa Catarina, onde tratava dos seus negócios, com a Casa Bertrand os livros, com o Jerónimo Martins o azeite… Na Bertrand conheceu José Fontana, e aí foi o primeiro subscritor do abaixo-assinado contra o fecho dos Conferências do Casino (1871).

Herculano é símbolo do século liberal português. A sua vida foi exemplo de retidão. Quando morreu o seu admirado rei D. Pedro V, na flor da idade, o jovem monarca que tudo prometia, o primeiro homem moderno em Portugal no dizer de Ruben A., Bulhão Pato afirmou que o Mestre chorou lágrimas verdadeiras.

No seu exílio de Vale de Lobos, em Santarém, tornou-se agricultor modelar, a ponto de o seu azeite ser um dos mais apreciados e premiados internacionalmente. O Azeite Herculano era um néctar de uma pureza fantástica, conseguido com muito trabalho, investigação e o conhecimento do que melhor se fazia na Europa.

Foi fundador da moderna historiografia portuguesa, por fidelidade às fontes autênticas. Um dia, perguntaram-lhe por que razão havia Portugal. O velho sábio respondeu pausadamente. «Se fizermos uma lista de razões para existir e para não existir, talvez sejam mais os motivos teóricos para não existir do que para existir… Mas nestes debates, a teoria é menos importante do que a experiência e do que a prática. – O facto é que existimos, há muitos séculos. Razão? – Somos porque queremos. Seremos enquanto quisermos!»…

Guilherme d’Oliveira Martins

Fernando Pessoa

Sophia de Mello Breyner Andresen

Antero de Quental

Almeida Garrett

Aquilino Ribeiro

Almada Negreiros

Padre António Vieira

Vitorino Nemésio

António Quadros

Columbano Bordalo Pinheiro

Afonso Lopes Vieira

Giuseppe Verdi

António Alçada Baptista

Cesário Verde

Alexandre O´Neill e Amália

Gualdino Gomes

Amadeo de Souza-Cardoso