Figuras do Chiado

Afonso Lopes Vieira

Afonso Lopes Vieira (1878-1946) foi um poeta muito ligado a Leiria e a S. Pedro de Moel, que também marcou o Chiado. A sua casa no Palácio da Rosa, na Mouraria, constituiu exemplo de uma sensibilidade que procurava ir ao encontro das raízes da nossa cultura, desde a poesia trovadoresca à tradição literária do ocidente peninsular, de Bernardim a Garrett. Autor de “País Lilás, Desterro Azul”, escreveu também uma obra pouco conhecida “Éclogas de Agora”, que foi proibida pela censura, e só pôde ver a luz do dia depois de 1974, que revela um profundo desejo de liberdade. Citemo-la: «Mordaças não convêm a lusas bocas; /e senão vede aqueles / grandes zagais antigos, / glórias desta ribeira, / chamados Gil Vicente e Luís de Camões / e padre António Vieira, / que todos foram bravos, / todos falaram rijo / na Portuguesa Língua forte e clara / ou no paço dos reis / ou no divino Poema / ou na defesa épica de escravos!… / E nós, zagais que fomos / os primeiros na luta destemida, / havemos de ficar assim calados, / mais medrosos que os gados, / como ovelha que bala de perdida? / E quem manda calar-nos? / Esses que se abrigavam / nas cabanas amigas / ou nas tocas seguras / quando se armavam cá no prado as brigas!…».

Passou-se com ele este episódio. Henrique de Paiva Couceiro (1861-1944) foi um resistente monárquico persistente e por isso respeitado pelos seus adversários. Em outubro de 1910, foi dos únicos que se bateu em defesa de D. Manuel II, sem sucesso. Muitas vezes foi preso, sofreu o exílio, foi julgado, condenado, mas manteve sempre a mesma coerência. Numa das vezes em que foi detido e estava numa das esquadras de Lisboa, Afonso Lopes Vieira, o grande poeta de S. Pedro de Moel, soube do sucedido e decidiu exprimir a sua solidariedade para com o amigo. Fez uma pequena mala, onde colocou um pijama, uma muda de roupa, os utensílios fundamentais de higiene e partiu para a esquadra da polícia, suponho que da Praça da Alegria. Chegado, dirigiu-se ao piquete e disse: – Venho para ser preso! O guarda não queria acreditar no que ouvia… E perguntou: – Mas que deseja o senhor! E o poeta respondeu: – Quero exatamente o que já ouviu – ser preso! – Mas cometeu algum crime? – redarguiu o polícia – Claro que não… Mas não é aqui que está Paiva Couceiro? Pois bem, se está é porque aqui prendem pessoas de bem, e por isso aqui estou. O guarda ficou sem resposta e Afonso Lopes Vieira sentou-se na sala de espera com a maleta a seus pés…

Guilherme d’Oliveira Martins

Fernando Pessoa

Sophia de Mello Breyner Andresen

Antero de Quental

Almeida Garrett

Aquilino Ribeiro

Almada Negreiros

Padre António Vieira

Vitorino Nemésio

Alexandre Herculano

António Quadros

Columbano Bordalo Pinheiro

Giuseppe Verdi

António Alçada Baptista

Cesário Verde

Alexandre O´Neill e Amália

Gualdino Gomes

Amadeo de Souza-Cardoso