Destaque

Exposição e performances da antiga bolseira do CNC Susana Mendes Silva no MNAC

Esta exposição integra o programa “As coisas fundadas no silêncio” que começou no dia 3 de março com dois dias de conferências na Culturgest.

Depois do ciclo de conferências, que se realizou no início de março na Culturgest, e da suspensão e realização online de algumas das suas atividades, o programa AS COISAS FUNDADAS NO SILÊNCIO regressa no dia 10 de junho com a abertura de “Como silenciar uma poeta”, uma exposição da artista plástica Susana Mendes Silva. Esta exposição surge a partir da obra da escritora portuguesa Judith Teixeira (1880-1959), cujo livro “Decadência” foi apreendido e queimado em 1923, no Convento de São Francisco, nas antigas instalações do Governo Civil de Lisboa com entrada pela Rua Capelo, hoje parte integrante do Museu Nacional de Arte Contemporânea. 

Esta exposição incorpora também duas performances, com data ainda a anunciar, “Tradução #1” com Alda Calvo e “Tradução #2” com Patrícia Carmo, que se debruçam sobre a tradução de um poema de Judith Teixeira para as outras duas línguas oficiais Portuguesas: a Língua Gestual Portuguesa e o Mirandês.

Como silenciar uma poeta” vai estar patente na Sala Sonae do Museu Nacional de Arte Contemporânea  a partir do dia 10 de junho até ao dia 30 de agosto. A entrada é livre.

AS COISAS FUNDADAS NO SILÊNCIO é um programa concebido por Marta Rema, cujo principal objetivo é refletir sobre o tema do silêncio, envolvendo a participação de intervenientes de várias disciplinas artísticas e das ciências naturais, sociais e humanas.

BIOGRAFIA

Susana Mendes Silva (Lisboa, 1972) é artista plástica e performer. O seu trabalho integra uma componente de investigação e de prática arquivística, que se traduz em obras cujas referências históricas e políticas se materializam em exposições, ações e performances através dos mais diversos meios de produção. O seu universo contempla e reconfigura contextos sociais diversos sem perder de vista a singularidade do indivíduo. A sua intimidade psicológica ou a sua voz são inúmeras vezes veículos de difusão e receção de mensagens poéticas e políticas que convocam e reativam a memória dos participantes e espetadores. Susana estudou Escultura na FBAUL e frequentou o programa de doutoramento em Artes Visuais (Studio Based Research) no Goldsmiths College, Londres, tendo sido bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian. É Doutorada em Arte Contemporânea, pelo Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, com a tese baseada na sua prática performativa – A performance enquanto encontro íntimo. É Professora Auxiliar na Universidade de Évora no curso de Arquitetura Paisagista.